quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Excesso



Existem três tipos de pessoas: Os normais, que sentem, mas não sangram; os excessivos, cujo bater de asas de borboleta no jardim do vizinho lhes açoita e finalmente, os insensíveis.

O primeiro grupo, maior e mais comum, é formado pela maioria dos meus amigos, por meu irmão, meu pai, meu namorado... É constituído por pessoas que se sensibilizam diante de um roteiro dramático, que choram a morte de um ente querido, dizem eu te amo e eventualmente ficam tristes.

O segundo, dos excessivos, é onde me encontro. Não queira fazer parte dele, meu bem. Devo tê-lo herdado de minha mãe e o que posso dizer é que é feito de gente que dói. Doem as dores próprias e as alheias. Doem as injustiças, as notícias de telejornal, o divórcio da madrinha, a doença do avô. Dói além da conta e para extravasar, a gente escreve, pinta, borda, planta bananeira... E mesmo assim, dói. Dói amar e não amar, dói sorrir, dói chorar, dói até quando não está doendo porque a gente se sente meio morto. Mas óh, não se engane. Também não quero dizer que sejamos infelizes. Para os excessivos, a felicidade vem absurda – como vem todo o resto. O problema é que tudo é muito, todo sentir vem mal dosado, em proporções cavalares, e aí... Dói. Só quem é, sabe.

Finalmente, temos o terceiro grupo, os insensíveis. Não raramente os confundimos com os excessivos porque de tanto não sentir, eles aprendem a forjar. Forjam alma, lágrimas, zelo, prazer... Com esses sim, há de se ter cuidado.

Invejo pessoas normais, que sentem na medida. Me benzo contra pessoas insensíveis, que devoram o sentimento alheio. E excessiva, sigo doendo.



Para ler ao som de It Can't Rain All The Time.

15 comentários:

Espelho Meu disse...

Costumo dizer que vivo entre o paradoxo do verbo sentir: quando eu não sinto, sinto muito!
Inexplicável como esse texto me serviu, assim, justinho. Te admiro, tanto...

Mola disse...

Sentir muito é sua benção e sua maldição.



Sou encantado por você, meu doce amor.

Jéรรy disse...

Depois de "Curta Cotidiano #4", "Excesso" foi o texto que mais me traduziu até agora aqui.

Fazer parte do segundo grupo dói mesmo e não é pouco. Já quis várias vezes pedir demissão, mas não consegui... Se o fizesse estaria deixando de viver intensamente cada pedacinho de mim.
Preferi continuar sendo de carne, osso e muito coração.

p.s: amei a música. Obrigada por compartilhar.

Ludmila Melgaço disse...

Nossa, não consigo não me encontrar em cada linha.
Sigo doendo, fazer o que, né?

Gislãne Gonçalves disse...

Olá,
O blog “Vê se ri um pouco” entrará de recesso ate dia 31 de março, mas vc terá a oportunidade de publicar um texto SEU no meu blog, passa lá e dê uma olhada na última postagem, intitulada “Participem!!!”, pois lá estão as explicações de como ter o seu texto no Vê se ri um pouco, tanto no blog quanto no Face!

Beijos
Até mais

Dra Juliana Rosano disse...

Lindo Flá. Sinto em excesso. Mas a medicina me ajudou a ponderar as liberdades e escolhas pessoais. O intolerável pode ser bem tolerável quando arraigado nas profundezas do ser. E quantas vezes, na tentativa de ajudar, me vi arrancando muletas que apoiavam toda uma vida.E se eu estiver errada, valeu a tentativa de não me esvair em lágrimas ao lado da formiguinha. Adoro suas postagens. Grande abraço!

Nathália von Arcosy disse...

Excessivos, uni-vos! Uni-vos porque também dói demais sentir-se sozinho com todas essas dores, alegrias e angústias. Sigamos doendo juntas que a dor talvez sufoque menos se tivermos alguém para carregá-la conosco.

Zucco disse...

Nossa, queria ter eu escrito um texto assim. Perfeito! Maravilhoso. Bom mesmo. Direto, profundo e tocante. Parabéns! Vou divulgar.

Almeida José disse...

Oi, tudo bom?

É a primeira vez que eu passo pelo teu blog e admito que gostei bastante. É realmente legal ver um blog que está firme e forte desde 2010. São raros.

Curti o texto, você conseguiu passar a ideia ao mesmo tempo em que expressou o que sente, ficou bacana.Respondendo a uma pergunta que não me foi feita, sou um "normal" morrendo de medo de ficar "insensível"... o que eu devo fazer?

Abraço

Almeida José
www.diarioaustral.wordpress.com

Contradita disse...

Moça linda,

Como gostei desse texto. Sentir demais é também minha maldição/salvação.

Aprender dosar um pouco essas águas furiosas por dentro é preciso e tão complicado. =/

Você está certíssima,que os insensíveis fiquem longe.

E que possamos encontrar no caminho pessoas capazes de nos diluir um tantinho.

Bjos

@mother_fuckerz disse...

Senti esse texto excessivamente, isso é bom ou ruim? rs
Nova por aqui e daqui pra frente constante. Parabéns pelo texto e a impulsividade de escrevê-lo!

@mother_fuckerz

Augusto Mozine disse...

Adorei o texto! Só, jamais, invejaria os normais... Não vale a pena...

Versos que eu fiz e ainda espero respota disse...

Um brinde aos excessivos!!

Mtooo Boomm!

http://www.luismacedo.com/

Poupée Amélie™ disse...

Como você, sou demasia. Isso dói, mas faz a gente ver as coisas com uma poesia também gigante. Há lá suas vantagens!
Beijos

Ana Beatriz disse...

Só quem sente excessivamente, entende! Gostaria de ser do grupo dos "normais"... enfim...

Postar um comentário

Alimente os devaneios de uma Mariazinha. Comente.