terça-feira, 11 de outubro de 2011

FinAIS




Menti. Para quem só mente, há penas.*
Há pesar de tudo.

Não passo de um ama dor
E a mando errado, foi impossível acertar.

Dez culpas me assolam
Para o seu sossEGO, por muito tempo hão de assolar.

Des-culpe.
Des-canse seu coração maltratando o meu.

O amor tece a queda
Contraditório, amortece também.


*Trecho inspirado numa frase de Flávia Brito

8 comentários:

Flávia disse...

Você sempre me encanta e surpreende. Sempre.

Bendita internet que torna o mundo menor e me permite chegar a talentos sensíveis como você.

Beijo, Dona Flávia :)

Tatiana Kielberman disse...

Adoro essas contradições e palavras mescladas que ganham um ritmo tão suave em suas letras, Fláh!

Coisas que só você consegue!!

Demais...

Beijo grande!

Marcela disse...

Surpeendida!
é a palavra certa para descrever o que esse belo poema fez comigo...
lindo!
bjos

Felipe Carriço disse...

Dicotômico... Aurículo e ventrículo de um ser que pulsa por outro ser, sem saber ao certo se são ou não.

Luis Fernando Mifô disse...

belo poema! belo!

Gislãne Gonçalves disse...

Adorei esse jogo com as palavras

beijos

Cláudio disse...

Vou ter que copiar algo que escrevi, que se encaixa mais do que perfeitamente. E segue sua linha, brincando com as palavras.
Repartir - É o que tenho feito com meu coração. Você parte, eu colo. Ela re-parte. Eu re-colo. Por vezes eu recolho..
Daria um bom complemento...
Beijos Mariazinha...

Edu Lazaro disse...

excelente jogo de palavras e conclusões!

Postar um comentário

Alimente os devaneios de uma Mariazinha. Comente.