segunda-feira, 10 de maio de 2010

Delírio




Primeiro a volúpia. Ele surgiu como tinta rubra no papel branco.

Vem cá, me beija como se fossemos nos atirar do alto de uma ponte.

Então surgiu a afeição... Ele se abriu como livro do Machado, e de complicado passou à interessante.

Volta. Me abraça como se o mundo fosse uma ponte.

Aí nasceu a paixão. Ele começou manso feito garoa de domingo, e de repente tudo era tempestade.

Vem, me aperta como se eu estivesse caindo...

E finalmente, restou o descaso. Virou filme reprisado mil vezes.

Como assim? Por que você não vem mais? E os beijos, abraços e carinhos? Cadê a ponte e o mundo que desenhei em vermelho? Cadê você?

Foi tudo muito rápido... E agora passo os dias sentada no meio do nada, esperando alguém que me salve e construa um caminho de volta.

2 comentários:

M. F. Delos disse...

Ela, o mar. Ele, o sol. Amanheceu.
Um sentimento que nasceu em tons mansos, inofensivos, cujos contornos eram apenas adivinhados. Foi se tornando, aos poucos, um caleidoscópio de cores vibrantes, extasiantes - psicodélicas. O mar banhado dos mais delirantes tons de rosa, dourado, azul, laranja e vermelho. Todas as tonalidades que o mar sonhara refletir um dia. O sol chegou então ao ápice no meio do dia e foi embora a vastidão de cores. Apenas um azul absoluto e monótono, eventualmente pontuado por algumas nuvens. O mar em seus tons habituais, quase monocromáticos, de cores frias em dias quentes: azul e verde. Até que o sol se pôs e fez voltar, por um instante, o turbilhão de cores - mas tão rápido quanto veio, ele se foi. A lua, compadecida ao assistir tal sofrimento, fez-se refletir sobre o mar. Ofereceu a ele sua companhia não tão intensa quanto a do sol e, no entanto, mais sincera. Desde então, resta ao mar apenas a espera por um astro que lhe restaure aquele brilho tão terno e doce que conheceu um dia. P.S.: Eu não disse lá na Confraria que eu me empolgo?! Perdão! xD Li teu texto e quando fui ver tinha escrito isso tudo aí. Enfim... amei teu texto, como sempre ;]

Josi Guimarães disse...

Lindo texto!
A cada dia me sinto mais próxima dos seus sentimentos, e da sua história, e apesar de também sofrer sinto conforto por saber que não estou sozinha!
Um bj e uma rosa pra vc!

Postar um comentário

Alimente os devaneios de uma Mariazinha. Comente.