segunda-feira, 18 de abril de 2011

Homicida




É como eu estava dizendo... Desde que ele apareceu e essa felicidade absurda começou a me rondar, não tenho mais paz.

Dei pra cantarolar Vinicius. Logo eu, decorando soneto.

Por isso quero que você o mate.

Faça com jeitinho, para não doer muito. Ele é sensível e... Ah, quer saber? Faço-o sangrar. Devolva todas as dores que ele me fez sentir naquela noite em que prometeu ligar, mas esqueceu. Fiquei plantada ao lado do telefone, planejando um alô desinteressado que não desse pistas da minha ansiedade. Mas o filho da puta não ligou. E fui dormir imaginando se havia sido trocada por uma loira, ou quem sabe uma ruiva. Ele gosta de ruivas.
Se tenho certeza? Claro que tenho certeza. Quem é que consegue conviver com essa pressão constante, essa responsabilidade? Não dá, não dá.
No meio das nossas noites de amor, tenho ímpetos de fulminá-lo com as armas que essa relação me trouxe: minha ansiedade e meu ciúme.

O palhaço brinca comigo, sabe... É, ele ri da minha intensidade.
Ficam os dois rindo da minha cara, ele e a felicidade. Parecem cúmplices. Eles conspiram contra mim. Planejam me entorpecer mais e mais, para depois fugirem juntos.
Como é que você não está entendendo? É óbvio. Ele apareceu do nada, encheu minha rotina de alegria, e ainda quer me convencer de que isso se chama acaso?
Olha, minha vida se baseia em buscar um amor perfeito, uma vida feliz. Ele me entregou tudo isso de bandeja. Por isso quero que ele morra e suma com os medos que trouxe consigo.
Ao mesmo tempo que o amo e sorrio feito boba, padeço de saudade.

É, saudade.
Sinto falta de buscá-lo por aí, de viver uma vida com lacunas. Ele me encheu de certezas, mas não sei lidar com isso.
Esse contentamento arrancou minha pose de comandante. Quem sou eu sem minha convicção?
Para me sentir no comando, vale tudo. Vale até esmagá-lo. Isso mesmo. Vou colocar sobre os ombros dele toda a minha angustiante necessidade de tê-lo, até que ele desista. E aí vou usar aquele vestido preto que adoro, e minha expressão de abandono: ‘Eu estava certa. Você não suportaria qualquer coisa ao meu lado’.
Sim, pode matá-lo. E se conseguir, apague também nossas conversas intermináveis, e aquele sorriso estúpido que eu amo.

Ele merece padecer como padeço sempre que me imagino sem ‘nós’.

Doem todas as dores quando penso que, finda essa felicidade, vou perder o rumo. Então, que ela termine do meu jeito, sem dar a ele chances de me abandonar.

Não queira compreender. Apenas faça... Mate-o!

Por causa dele, já recorri aos livros de autoajuda, já frequentei o MADA*, já fiz cena de ciúme, já enjoei dessa idiota que ele criou dentro de mim. Chega!

Decidi e não volto atrás. Quero vê-lo estatelado, morto no chão da sala, cena do meu livro favorito... Do jeitinho que me enxergo quando minha imaginação masoquista desenha o fim da nossa história.

Cada vez que imploro pra que ele me deixe, é meu coração suplicando pra que ele assine um documento jurando ficar pra sempre.

É minha última palavra.

Coração, mate-o!

5 comentários:

Tatiana Kielberman disse...

Sempre linda e verdadeira...

Como seria fácil se o coração atendesse aos nossos pedidos, né querida?

Amei!

Beijo carinhoso!

Du disse...

Identificação total.
"Garçom, dois assassinos por favor, com duas pedras de gelo, pelo amor. Pela dor. Seja o que for, mas que pare de sangrar."

AMEI!!!

Micoca disse...

Chorei!!! =/

texto perfeito!

K.Thammy disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
K.Thammy disse...

E o que a gente faz com esse medo que é tão imenso e quase veneno, hein? Se há tanto amor, e o bem que te faz sorrir deixa também arrepios intensos, declarados, por que deixar que o fogo que aquece o nosso coração seja sabotado? Não, não. Força mesmo e ir contra nossas diretrizes e nos permitir mergulhar de cabeça no que vem nos tocando a pele há algum tempo. Coragem pra abraçar o bichinho feio que assusta e convida. Deixa esse amor, mariazinha, mata só esse medo arredio, sem valor.
Um beijo. ADOREI!! (@thatbks)

Postar um comentário

Alimente os devaneios de uma Mariazinha. Comente.