quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Breve Receituário


“Não é amor se não te deixa confuso de vez em quando.”




Amor. Sentimento, maçã, flor, gesto, mãe, sexo. Amor é tanta coisa. Vida, apelido, pretexto, mágoa, dor, saudade. Amor é absurdo.


Poesia, livro, tema, alma, doação. Amor é complicado. Grande, confuso, fraterno, desejo. Amor é amplidão.

É substantivo ou é verbo? Próprio ou comum? Eterno ou fugaz?


Até quando seremos tão piegas, enfiando o amor goela abaixo como um comprimido?

Transformá-lo em relacionamento é isso, é fazê-lo remédio. E o amor que era tanta coisa, vira mera reciprocidade. Vai, engole!


A gente o receita desejando que seja rápido e acaba fazendo com que o outro engasgue, tussa e até cuspa.
Calma, cara! Amor é tudo, exceto imposição.